Psicografia de Chico é posta a prova através de inteligência artificial

0
127
Psicografia de Chico Xavier é colocada a prova através de inteligência artificial

Na doutrina espírita, um dos maiores médiuns foi Chico Xavier, conhecido dentro e fora do espiritismo, se tornando famoso por suas psicografias e diversos livros lançados, cerca de 412 ao todo, os quais ele negou autoria, sendo todos psicografados. Chico Xavier faleceu há cerca de 15 anos e continua sendo uma inspiração para muitos. A psicografia de Chico Xavier permanece famosa.

Como homenagem ao líder espírita, aqui no Brasil alguns profissionais decidiram pesquisar e saber mais sobre as obras de Chico Xavier através da inteligência artificial. Ao longo da publicação de seus livros, no decorrer dos anos, foram diversos os espíritos autores, que revelaram através da psicografia, e a ideia da pesquisa é utilizar a computação para que algumas perguntas fossem respondidas.

Personalidade de cada um dos autores nas psicografias de Chico Xavier

Como seria a personalidade de cada um desses autores? Eles possuem muitas diferenças um dos outros? E somente pesquisando a fundo essas perguntas talvez poderiam ser respondidas. A Stilingue é uma empresa que possui como objetivo a análise de texto através da inteligência artificial, então teve a ideia de tentar fazer uma análise detalhadas das psicografias de Chico Xavier, para ver como as mesmas seriam vistas.

De acordo com os dados fornecidos ao computador, o mesmo é capaz de criar relação entre as informações, como por exemplo, se uma análise da Bíblia fosse feita, o computador colocaria um número antes das frases, pois já teria entendido que a mesma funciona em versículos.

Esse recurso foi usado para recriar Shakespeare, de forma que após ler os muitos caracteres a respeito, o computador o recriou de forma que o mesmo era capaz de escrever no mesmo estilo inglês que o autor, sem que aulas fossem necessárias.

Para o projeto a ser testado com as obras das psicografias de Chico Xavier, três autores foram escolhidos para o teste, sendo eles André Luiz, Humberto de Campos e Emmanuel, que são basicamente os mais citados, geralmente.

Para isso, três livros de cada autor foram escolhido para a análise, então a técnica deep learning pode começar a ser feita, lembrando que são necessários pelo menos 1 milhão de caracteres para que dê certo como o esperado.

Com isso, o computador percebeu o estilo de escrita de cada autor, como sendo o de André um estilo com falas mais espaçadas ao invés de grandes diálogos. A marca de erro para a recriação de cada um foi de 22% para André Luiz, 32% para Humberto de Campos e apenas 5% para Emannuel, possuindo grandes índices de acertos.

Fonte: Super Abril

Deixe seu comentário